Parsifal explica a renúncia de Jader

Conheça as razões da renuncia de Jáder no Blog do Parsifal Pontes, o porta-voz parlamentar do PMDB, apenas não toca no fato de que Ann Pontes assumirá por 31 dias, mas nem precisa, isso não é o mais importante.

Apenas por dever de justiça Jader não é o “mais longevo político do Pará”  esse posto pertence ao dr. Gerson Peres que não renunciou e continua vivinho da silva.

Um ano de extremos climáticos expostos em Cancún

 

“As emissões de carbono continuam aumentando apesar da recessão econômica, e nunca vi expectativas tão baixas em relação a uma Conferência das Partes”, disse Richard Somerville

Stephen Leahy

DivulgaçãoDivulgação

Este ano, provavelmente, foi o mais quente da história: altas temperaturas oceânicas arrasaram os corais tropicais, o calor e a seca tomaram conta da Rússia e as inundações devastaram o Paquistão.
Delegados internacionais, desde ontem em Cancun, buscam soluções na 16ª Conferência das Partes (COP 16) da Convenção Marco das Nações Unidas sobre Mudança Climática.
Apesar das evidências científicas cada vez mais contundentes quanto à urgência e aos riscos da mudança climática, e ao fato de cada vez mais se defender a adoção de medidas, é improvável que os representantes de quase 200 países, reunidos até o dia 10 de dezembro neste balneário, cheguem a um novo acordo vinculante. Quando muito, questões como reflorestamento, financiamento climático e compromissos em matéria de mitigação serão mais desenvolvidos com a escassa esperança de que a próxima conferência, em 2011 na África do Sul, possa produzir algum tipo de tratado.
“As emissões de carbono continuam aumentando apesar da recessão econômica, e nunca vi expectativas tão baixas em relação a uma Conferência das Partes”, disse Richard Somerville, destacado cientista climático da Scripps Institution of Oceanography, com sede no Estado da Califórnia, nos Estados Unidos. “A ciência é bastante convincente quanto à necessidade de uma ação urgente. Não temos outros cinco anos para chegar a um acordo”, disse Richard à IPS/TerraViva.
Em 2009, ele e outros cientistas elaboraram uma atualização sobre as últimas descobertas da ciência climática: “The Copenhagen Diagnosis” (O Diagnóstico de Copenhague).
Esse informe concluiu que as emissões mundiais de carbono deveriam chegar a um topo e começar a baixar antes de 2020, para se ter esperança de impedir que o aquecimento global supere os dois graus.
Contudo, os negociadores em Cancún não estarão majoritariamente agindo em nome da ciência, mas de seus interesses nacionais indicados por suas direções políticas, que em termos gerais não compreendem a mudança climática, disse Richard.
“As nações industrializadas pensam que podem adaptar-se às temperaturas mais quentes. Não vejo como podemos fazer para manter o aquecimento abaixo dos dois graus”, ressaltou.
A Convenção Marco foi criada depois da Cúpula da Terra realizada no Rio de Janeiro em 1992 para abordar a mudança climática. Nessa oportunidade, praticamente todos os países chegaram a um acordo para reduzir as emissões de gases causadores do efeito estufa, particularmente do dióxido de carbono. Em Kyoto, no Japão, os países industrializados prometeram, em 1997, reduzir em 5% suas emissões, tomando por base os índices de 1990.
Porém, as emissões mundiais de dióxido de carbono derivadas dos combustíveis fósseis em 2008 foram 40% maiores do que as de 1990, principalmente porque países ricos como os Estados Unidos não concretizaram reduções, enquanto as emissões de algumas nações emergentes, como a China, aumentaram drasticamente.
Na COP 15, realizada há um ano na Dinamarca, os países industrializados chegaram a um acordo para manter o aumento da temperatura global abaixo dos dois graus.
No entanto, apesar de cumprirem seus vagos compromissos de redução de emissões estipulados no Acordo de Copenhague, a maioria das análises indica que a humanidade caminha para um aquecimento de 2,6 graus até 2100.
Isto é o que a maioria dos cientistas considera uma mudança climática perigosa ou catastrófica, e inclui a perda de arrecifes coralinos e outros importantes ecossistemas.
Além disso, as latitudes do Norte se aquecerão muito mais do que a média mundial, talvez entre sete e 14 graus, nas regiões polares, o que quase seguramente garantirá a liberação de vastas quantidades de metano do permafrost (camada de gelo permanente) do Ártico.
Isto gera “grande preocupação”, disse na semana passada a Organização Meteorológica Mundial em um boletim. O metano é um gás-estufa com potencial 25 vezes maior de aquecimento do que o dióxido de carbono, e agora apresenta níveis atmosféricos 158% mais elevados do que na era pré-industrial.
O Acordo de Copenhague tem tantas lacunas que as nações podem argumentar que mantêm suas promessas ao mesmo tempo em que aumentam suas emissões, disse Sivan Kartha, cientista climático Instituto Ambiental de Estocolmo, um centro internacional independente. “Isto deveria ficar exposto pela vergonha que representa, para que desapareçam estas brechas e para que aumentem os compromissos nacionais de redução” de emissões contaminantes, disse Sivan à IPS/TerraViva.
Perdeu-se o forte senso de fim comum que reinou na Cúpula da Terra de 1992 para enfrentar os perigos da mudança climática, e as negociações se reduziram ao que parece ser apenas outra negociação comercial, afirmou o cientista. “Em Copenhague se desvaneceu o processo aberto, transparente e democrático que foi chave para as negociações prévias. Pode ocorrer o mesmo em Cancún, onde pequenos grupos de países forjam acordos a portas fechadas”, lamentou.
Esses tratos quase sempre inclinam as negociações para um único lado. O que funciona para a China e os Estados Unidos, por exemplo, pode ser muito ruim para os países que sofrem mais os impactos da mudança climática, explicou Sivan. “A urgência que enfrentamos não deveria justificar um mau acordo para alguns”, acrescentou.
A exclusão dos interesses dos países pequenos e das organizações não governamentais em Copenhague incentivou a sociedade civil a se reunir na Conferência Mundial dos Povos sobre a Mudança Climática e os Direitos da Mãe Terra, realizada em abril em Cochabamba, na Bolívia. Ali assinaram o Acordo dos Povos, no qual exigem o reconhecimento de uma Declaração Universal de Direitos da Mãe Terra e a criação de um Tribunal Internacional de Justiça Climática e Ambiental.
Entretanto, essas propostas foram excluídas das negociações formais em Cancún, segundo a Via Camponesa, movimento internacional com milhões de membros.
“Nos últimos momentos do debate, as promessas do acordo assinado em Cochabamba foram deixadas de lado”, disse Alberto Gómez, da coordenação internacional dessa entidade. A organização mobiliza milhares de ativistas para que façam uma marcha em Cancun, a fim de pressionar os governos a adotarem as medidas estipuladas no Acordo de Cochabamba.
Uma manifestação maciça está marcada para 7 de dezembro neste balneário e em muitas cidades do mundo. Estima-se que já há seis mil militares e policiais mexicanos fortemente armados em estado de atenção devido à realização da COP 16. “Não concordamos com as falsas soluções como o mercado de carbono, porque, longe de reduzir os gases-estufa, cedo ou tarde criará um sistema especulativo que levará o mundo a outra crise financeira global”, disse Alberto em um comunicado. “A Via Camponesa se mobiliza para denunciar a irresponsabilidade da maioria dos governos que escolhem apoiar o capital em lugar dos interesses de suas nações e de toda a humanidade”, acrescentou.

Jader antecipa suas férias política e renuncia

O deputado federal renunciou ao mandato hoje. Justamente hoje que o rio Tocantins voltou a navegar, após trinta anos arrolhado pela barragem de Tucuruí e o Lula e a Dilma vieram para cá, prestigiar o Pará. Não podia esperar para amanhã. Por que essa pressa toda.

A renuncia não tem qualquer consequência jurídica, pois faltam apenas 31 dias para o final do mandato. Com o gesto da renuncia Jader tenta criar um fato político favorável a uma reversão da sua inelegibilidade pela Lei da Ficha Limpa. Será que conseguirá? Leia a carta renuncia aqui: Carta Renúncia.

Lula premia filho de Jader Barbalho

Lula premia filho de Jader Barbalho com troféu de 'gestor eficiente da merenda escolar': http://bit.ly/hWoJZI

Me surpreendi com inúmeras, mas bote inúmera nisso, mensagens com a que esta acima no Twitter. Afinal de contas foi um prêmio?será que foi justo? Ou foi para agradar, afinal Helder Barbalho, embora não tenha comparecido a o único comício de Dilma, realizado justamente em Ananindeua, coordenou a campanha da Presidenta no Pará.

Reforma Tributária já!

Você viu? Nossa enquete sobre tributos deu disparada a reforma tributária, claro! Os nossos visitantes não são burros e sabem que precisa um pouco de racionalidade nesta história de impostos. A carga tributária hoje é alta, concentrada na mão da União e injusta com certos estados da Federação.

Depois de arrecadado os tributos viram receitas públicas e são gastos sem dó nem piedade por governos, muitas vezes corruptos ou ineficientes. O resultado dessa brincadeira pode ser observado em apenas um exemplo, a conta de energia elétrica. Em uma conta com um consumo mensal de R$ 321, a pessoa paga R$ 3,47 de PIS, R$ 16,01 de COFINS, R$ 113,64 de ICMS e R$ 39,41 de CIP – Contribuição de Iluminação Pública. Com o acréscimo dos tributos, R$ 172,53, a conta final vai sobe R$ 493,97. A luz que acende na praça ou no poste da rua é paga por você através da CIP, mas essa conta é salgada.

Os tributos, depois que viram receita pública a União fica com o bolo maior e os estados e municípios recebem uma pequena parcela. Para fazer obras significativas, governadores e prefeitos viajam até Brasília, de pires na mão, firmam compromissos de reeleição com parlamentares para poder receber emendas. Os deputados federais que deveriam representar o eleitor acabam representando os interesses de governadores e prefeitos.

A legislação tributária atual é injusta com o Pará, por exemplo. A Lei Kandir nos impede de cobrar imposto pelas nossas riquezas como o ferro de Carajás. A energia produzida em Tucuruí e a que será produzida em Belo Monte não deixa e nem deixará imposto para o Pará, pois o imposto da energia é cobrado no destino e não na origem.

Valeu gente. Obrigado pela participação e pela opinião. Vamos nos organizar e levar nossa vontade para os nossos representantes e pedir que tomem providências através de uma boa e eficiente reforma tributária. Cada pessoa pode participar, como? Olha, cada político tem uma página na internet, alguns, mais modernos tem Orkut, facebok, twitter. Bom, tem a página da Câmara dos Deputados e do Senado, por lá dá para encher o saco dos caras e das caras.

Marina fala ao PV do Acre

Marina fala dos desafios da campanha. Pouco recurso, pouco tempo de televisão e o nível de acertos dos institutos de pesquisas que prejudicou muito.
Enviado do meu BlackBerry® da Oi.

Audiência Pública debate o Código Eleitoral

Clube do Remo sob novo comando

Falei com o Conselheiro Ronaldo Passarinha, que muito feliz, contou-me da brilhante vitória que seu grupo obteve nas eleições do Clube do Remo. Ronaldo diz que tomou um susto com o emprego de recursos financeiros da outra chapa, mas venceu a vontade de reorganizar o Clube.

A nova administração do Remo implementará uma administração participativa e transparente, onde os setores terão autonomia para definir suas metas e alcançar objetivos. Ronaldo Sérgio Cabeça e Manoel Ribeiro voltaram e agora vão comandar o Leão Azul de Antônio Baena.

Tragédias e mais tragédias

Estou para tomar uma decisão radical: deixar de assistir os noticiários das tevês. Não dá gente! São apenas tragédias e notícias ruins. Parece que enquanto você trabalha e dorme o restante da humanidade está na danação e os editores e jornalistas selecionam tudo para jogar no seu rosto pela manhã.


Assassinatos, carros queimados, ruas interditadas por protestos, alagamentos, fraudes, roubos, tráfico de drogas, pedofilia... O código penal inteiro se deslinda todas as manhãs sobre suas vistas, ali, bem defronte do televisor.

A cada noticia ruim o semblante dos apresentadores se ilumina como se dissessem: Bem feito seu humano babaca. Toma-te!

Será que nas vinte e quatro horas que antecedem os jornais a humanidade inteira não produz nada de bom? Será que os editores acreditam que se colocarem pelo menos uns dez por cento de boas notícias a audiência cairá?

Não estou defendo que escondam as tragédias, apenas peço que também destaquem os bons exemplos, quem sabe isto ajuda a melhorar a índole das pessoas ruins.

Deputados e senadores paraenses fora da premiação

A publicação Congresso em Foco institui um prêmio aos melhores parlamentares brasileiros. A idéia do prêmio é combater o lugar comum de que todos os políticos são iguais. O Congresso em Foco, com essa iniciativa, quer mostrar que existem políticos que pautam suas ações de acordo com o interesse da sociedade.

A intenção é dar visibilidade aos deputados e senadores que se destacam positivamente. Aqueles que, na ótica dos jornalistas e dos leitores do Congresso em Foco, merecem distinção por orientarem sua atividade no sentido dos interesses da sociedade.

Os nomes são escolhidos e votados por jornalistas que cobrem o Congresso Nacional e depois submetidos ao voto dos internautas. A lista final foi publicada e, para tristeza nossa, não consta o nome de qualquer dos políticos paraenses.

Veja a listas dos escolhidos:

Senadores
Cristovam Buarque (PDT-DF)
Marina Silva (PV-AC)
Eduardo Suplicy (PT-SP)
Paulo Paim (PT-RS)
Alvaro Dias (PSDB-PR)
Pedro Simon (PMDB-RS)
Arthur Virgílio (PSDB-AM)
Demóstenes Torres (DEM-GO)
Jarbas Vasconcelos (PMDB-PE)
Renato Casagrande (PSB-ES)
Deputados
Chico Alencar (Psol-RJ)
Gustavo Fruet (PSDB-PR)
Luciana Genro (Psol-RS)
Ivan Valente (Psol-SP)
Manuela d'Ávila (PCdoB-RS)
Fernando Gabeira (PV-RJ)
Luiza Erundina (PSB-SP)
Flávio Dino (PCdoB-MA)
Rita Camata (PSDB-ES)
Indio da Costa (DEM-RJ)
José Eduardo Cardozo (PT-SP)
Aldo Rebelo (PCdoB-SP)
Domingos Dutra (PT-MA)
José Carlos Aleluia (DEM-BA)
Luiz Couto (PT-PB)
Antonio Carlos Magalhães Neto (DEM-BA)
José Genoino (PT-SP)
Raul Jungmann (PPS-PE)
Ronaldo Caiado (DEM-GO)
Beto Albuquerque (PSB-RS)
Miro Teixeira (PDT-RJ)
Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM)
Rodrigo Rollemberg (PSB-DF)
Pedro Wilson (PT-GO)
Maurício Rands (PT-PE)
Arnaldo Madeira (PSDB-SP)
Michel Temer (PMDB-SP)
Cândido Vaccarezza (PT-SP)
Ibsen Pinheiro (PMDB-RS)
Edson Duarte (PV-BA)
Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN)
Educação
Eleito pelos jornalistas e pelos internautas como o melhor senador no ano de 2010, Cristovam Buarque (PDT-DF) lembrou que, no ano passado, quando também recebeu o prêmio, ele o dedicou à população do Distrito Federal. Era o auge do escândalo do mensalão do Distrito Federal. "A população de Brasília, naquele momento, merecia esse prêmio", disse Cristovam. Agora, mais esperançoso, Cristovam espera que as mudanças políticas ocorridas na eleição deste ano melhorem a vida política do Distrito Federal.
O senador também foi eleito pelo voto popular como o parlamentar que mais atuou na defesa da educação. Também foram premiados nessa categoria os senadores Flávio Arns (PSDB-PR) e Marisa Serrano (PSDB-MS), além dos deputados Gastão Vieira (PMDB-MA), Fátima Bezerra (PT-RN) e Maria do Rosário (PT-RS). "Esse prêmio é muito imoportante, pois é quando o político tem o trabalho parlamentar reconhecido", disse o pedetista.
Terminada a premiação, todos os parlamentares premiados reuniram-se numa foto histórica. Logo depois, o cantor e compositor baiano Moraes Moreira subiu ao palco lembrando: "Isso aqui é um pouquinho de Brasil". Mais de 600 pessoas participaram da festa.
Ficha limpa
Por grande margem de votos, os internautas que participaram da votação do Prêmio Congresso em Foco escolheram a Lei da Ficha Limpa como a principal iniciativa legislativa do ano de 2010. O juiz Márlon Reis, coordenador do Movimento de Combate à Corrupção Eleitoral (MCCE), subiu ao palco para receber o prêmio. O MCCE foi a principal entidade envolvida no recolhimento das assinaturas e na promoção da Lei da Ficha Limpa. Por essa razão, Márlon Reis foi o escolhido para receber o prêmio em nome de todos os que se envolveram na elaboração e concretização da lei.
Os relatores do projeto também foram distinguidos. Subiram ao palco para falar sobre o prêmio os deputados Índio da Costa (DEM-RJ), relator no grupo de trabalho especial, e José Eduardo Cardozo (PT-SP), relator na Câmara. O senador Demóstones Torres (DEM-GO), relator no Senado, não pôde comparecer.
Lei de iniciativa popular, que chegou ao Congresso com o apoio de quase 2 milhões de assinaturas, a Lei da Ficha Limpa mudou o cenário político eleitoral este ano. Políticos de renome, mas com problemas na Justiça, acabaram barrados por ela. Caso do ex-governador do DF Joaquim Roriz e dos deputados Paulo Maluf (PP-SP) e Jader Barbalho (PMDB-PA).
"A lei trouxe esperança para nós e decepção para alguns", disse Márlon, que se referia àqueles que aguardavam um confronto entre a sociedade e os parlamentares. O juiz afirmou que houve um diálogo entre as partes que proporcionou o sucesso da lei.
Os dois relatores do projeto na Câmara concordaram que o diálogo promove o avanço. Cardozo disse que a aprovação da ficha limpa mostra que a população pode e deve participar de outra proposta importante: a reforma política.
"É uma conquista e é um passo", disse Índio. Ele defendeu a aprovação de uma lei para complementar à ficha limpa. Em tramitação no Congresso, um projeto de Índio impede a candidatura de políticos que não cumpriram promessas de campanha nas eleições anteriores.
Presidente da Associação dos Magistrados, Procuradores e Promotores Eleitorais (Abramppe) e um dos idealizadores do Movimento de Combate à Corrupção Eleitoral (MCCE), autor inicial do projeto que criou a Lei da Ficha Limpa, o juiz Márlon Reis diz que a escolha da lei como melhor iniciativa legislativa do ano “não supreende”.
“A Lei da Ficha Limpa é imensamente impactante na cultura política brasileira”, diz ele. “A melhor prova da correção da sua elaboração é que ela acabou mesmo se dirigindo contra aqueles políticos que notoriamente tinham seus nomes vinculados a práticas antiéticas”, considera.
Saúde
O senador Tião Viana (PT-AC) foi eleito pelos internautas o melhor parlamentar do ano na promoção da saúde no Prêmio Congresso em Foco 2010. Também foram agraciados nessa categoria a senadora Rosalba Ciarlini (DEM-RN), governadora eleita do Rio Grande do Norte, e os deputados Rafael Guerra (PSDB-MG), Dr. Rosinha (PT-PR) e Darcísio Perondi (PMDB-RS).
Tião Viana cobrou a aprovação da emenda que regulamenta a Emenda 29 da Constituição Federal e que prevê mais recursos para a saúde. Governador eleito do Acre, Tião lamentou a perda de recursos com o fim da cobrança da CPMF.
"O governo federal investe hoje 3,7% do PIB na saúde. O certo seria chegarmos a pelo menos 10%. E para isso é preciso recursos. O corte da CPMF fui uma perda para a saúde", observou o parlamentar logo após receber o prêmio.
Além de ter sido escolhido o melhor deputado do ano, Chico Alencar foi também o grande vencedor da categoria Combate à Corrupção do Prêmio Congresso em Foco. Também foram indicados como destaques nessa categoria os deputados Flávio Dino (PCdoB-MA) e Gustavo Fruet (PSDB-PR) e os senadores Alvaro Dias (PSDB-PR), Demóstenes Torres e Pedro Simon (PMDB-RS). Todos eles foram agraciados com diplomas em reconhecimento à sua atuação parlamentar.
Essa categoria foi criada para incentivar os parlamentares que se dedicam ao duro trabalho de fazer do Brasil um país com melhores práticas na administração pública. O Prêmio Congresso em Foco na categoria Combate à Corrupção foi concedido em conjunto com a Associação Nacional dos Peritos Criminais Federais (APCF).
Democracia e meio ambiente
Em uma democracia, o poder emana do povo e os cidadãos são detentores de direitos e deveres para fazer de sua nação um lugar melhor para se viver. O senador Eduardo Suplicy (PT-SP) sabe bem disso. Suplicy foi eleito pelos internautas o parlamentar que mais se destacou em 2010 na defesa da democracia.
Em missão no exterior, Suplicy não pode estar presente para receber o prêmio no noite desta segunda. O senador petista, no entanto, deixou gravado um depoimento, que foi mostrado num telão em vídeo.
“A preocupação com a democracia sempre foi uma das minhas principais bandeiras. Isso é mais um incentivo para continuar lutando para aumentar a inclusão social no país, evoluindo dos atuais programas, como o Bolsa-Família, até afinal chegarmos à renda básica de cidadania", disse o senador, referindo-se a um projeto de sua autoria que propõe a renda básica de cidadania, para asssegurar a cada cidadão uma renda mínima para se viver com dignidade.
Também foram premiados nessa categoria os senadores Demóstenes Torres e Pedro Simon e os deputados Chico Alencar, Flávio Dino e Miro Teixeira (PDT-RJ).
A senadora Marina Silva (PV-AC) foi eleita pelos internautas como a parlamentar que mais atuou na defesa do meio ambiente no Congresso em 2010. Também foram finalistas nessa categoria os deputados Aldo Rebelo (PCdoB-SP), Edson Duarte (PV-BA), Fernando Gabeira (PV-RJ) e Sarney Filho (PV-MA).
Mais assíduo
O deputado Manato (PDT-ES) foi homenageado durante a cerimônia de entrega do Prêmio Congresso em Foco 2010 por ter sido o único parlamentar a comparecer a todas as sessões reservadas a votações na atual legislatura. O pedetista compareceu às 411 sessões deliberativas realizadas pela Câmara entre 06 de fevereiro de 2007 e 18 de novembro de 2010.
Manato recebeu um certificado como o congressista mais assíduo na atual legislatura das mãos do editor-executivo do Congresso em Foco, Rudolfo Lago.
NA sua quinta edição, o prêmio tem o patrocínio da Ambev e da Petrobras e o apoio da Associação Nacional dos Peritos Criminais Federais (APCF), da Associação Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal do Brasil (Anfip), do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), do Sindicato dos Jornalistas do DF, da Frente Nacional dos Prefeitos (FNP), da Associação Nacional dos Defensores Públicos Federais (Anadef), da Associação Nacional dos Delegados da Polícia Federal (ADPF), do Movimento +Feliz e ainda das empresas Dudu Camargo Restaurante e Marc Systems.

Benefício fiscal para vale do Rio Doce

A Assembléia Legislativa aprecia hoje projeto de lei que concede benefício fiscal para Companhia Vale do Rio Doce, referente ao projeto Aço Laminados do Pará – ALPA, a siderúrgica a ser implantada em Marabá, que é a possibilidade de verticalização do minério de ferro do Pará.

O concessão destes benefícios não é uma decisão consensual, muitas bancadas tem problemas na votação desta matéria. O PT e o PSDB concordam em conceder as isenções a Vale, já o PPS não aceita.

O vice-governador eleito, Helenilson Pontes e o deputado Arnaldo Jordy, estão se movimentando, articulando a mudança da lei para reduzir os benefícios concedidos a Empresa.

O PPS não aceita que os bens de consumo, tais como material de escritório e limpeza, sejam colocados na lista de produtos alcançados pelo diferimento. Segundo os cálculos do Partido, se for concedido o benefício, o Pará perderá mais de 300 milhões por ano, pois terá que estender a medida a outras empresas.

Belo Monte está irregular

O grupo de Belo Monte da OAB reuniu nesta terça-feira (23) para um balanço das ações relativas ao projeto. Tomou conhecimento de que o NESA (Consórcio Norte Energia) apresentou o Plano Básico Ambiental e pleiteia licença de instalação para implantação do primeiro canteiro, alargamento e encascalhamento do ramal de acesso ao primeiro canteiro, e uma rede em 69 kv para levar energia a casa de força.

Diante da possibilidade deste licenciamento irregular, para dizer o mínimo, o grupo chegou a conclusão a licença só pode ser concedida se forem atendidos pelos menos as seguintes condiçãoes: formação do grupo interinstitucional de acompanhamento e fiscalização das obras; e o relatório e cumprimentos das obras antecipatórias previstas nas condicionantes.

O grupo também está preocupado com a situação das famílias que terão terrenos e casas alagadas, pois até a presente data não está claro quais os critérios para o remanejamento e indenizações destas pessoas.

Por fim, o grupo decidiu que vai requer uma cópia do Plano Básico Ambiental; cópia do relatório referente ao cumprimento das medidas antecipatórias; convocar para uma audiência a NESA (Consorcio Norte Energia); Reunião com a Bancada Federal do Pará; Convocação do IBAMA, MME e Eletrobrás para audiência; Solicitar a Governadora que reforce com pessoal e equipamento a Defensoria em Altamira com vista a prestar assistência gratuita as famílias de baixa renda que serão atingidas pela barragem; cobrar do Presidente da República medias em relação à segurança pública e poder judiciário; definição de participação da OAB/Pará no grupo de acompanhamento e fiscalização das obras de Belo Monte.

Belo Monte – OAB tem grupo de acompanhamento permanente.

A Ordem dos Advogados do Brasil – Seção Pará criou e mantem um grupo de trabalho para acompanhar cada passo da implantação do Aproveitamento Hidrelétrico de Belo Monte.

O grupo de Belo Monte da OAB é formado pelos doutores Evaldo Pinto, vice-presidente da OAB; José Carlos Lima, presidente da Comissão de Meio Ambiente da OAB; Cleans Bonfim e Raphael Sampaio Vale, conselheiros; José Maria Mendonça, representante da FIEPA e  CIP; George Wilson Carvalho, representante do Sindicato dos Engenheiros; Ronaldo Romero Cardoso, representante do Sindicato dos Urbanitários; e Raimundo Nonato Brito.

Este grupo, em nome do conselho seccional, acompanha, cobrar e propõe medidas, com vistas a defesa da sociedade paraense em relação a este grande empreendimento e seus impactos.

O Cabeludo está sem bagagem

IMG_0158

Um morador do canal da Quintino, chamado Cabeludo, resolveu dar um aviso aos moradores porcos que jogam lixo naquela área. Não adiantou ameaçar. Os porcos não respeitaram a Sesan e nem o Cabeludo e amontoaram os sacos com os restos no mesmo local. Que falta de bagagem, hein Cabeludo!

Laércio Barbalho será nome de rua

Recebi do vereador Fernando Dourado a informação de que tramita na Câmara Municipal de Belém, de autoria do vereador Scaff, projeto de lei designando uma das ruas de Belém como Laércio Barbalho.

O Pará sempre foi dominando por dois grupos de comunicação, com ligações com dois lideres políticos. Quem foge desta linha sai machucado, desgastado e tudo mais. Lauristas e Lemistas. Baratistas e Assunção. Alacidistas e Jarbistas. Helistas e Jaderistas.

Quem destoou, como Carlos Santos e Duciomar, sofrem muito desgaste. E por falar nisto: Qual era o jornal do Almir? Qual era o jornal da Ana?

Na última eleição de Governador as coisas foram colocadas novamente no eixo histórico paraense e os dois grupos de comunicação tiveram papel importante.

O projeto de lei do vereador Scaff prestando homenagem a dr. Laércio iguala as homenagens e salva as instituições.

Belém Ambiental – Mais Verde

Em um mundo em que o meio ambiente nunca foi tão debatido! Resta-nos uma pergunta a ser respondida. O que é de fato o meio ambiente...? Este conceito tão propalado de algo que acabou por se tornar uma idéia distante para a maioria do povo no mundo todo, no Brasil e em nosso caso mais especificamente aqui mesmo em Belém

Neste momento histórico que vivenciamos e verdadeiramente sentimos na pele através das mudanças climáticas que influenciam nossa saúde e bem estar cotidiano me parece que o mais importante é ter a idéia precisa de que MEIO AMBIENTE não é um conceito sobre um bem imaterial distante e ideologicamente ou politicamente correto.. mas SIM e essencialmente meio ambiente é tudo o que nos rodeia.. é nossa casa.. é o planeta Terra e tudo o que existe nele e que nos permite viver.

É preciso que nós, seres humanos, brasileiros, Belemenses entendamos que meio ambiente não é só a floresta que nos cerca... que parece estar cada vez mas dissociada de nosso viver; mas sim tudo que está ao nosso redor em conjunto com essa floresta; com os rios, com os riachos e igarapés, com a belíssima baia do Guajará, com o Jardim Botânico Rodrigues Alves, com o Parque Ecológico do Município de Belém, com o Parque Ambiental de Mosqueiro, com O Parque Estadual do Utinga e também com as nossas ruas, praças, canteiros, arborização urbana canais e principalmente com nossas casas. Com a casa de cada um de nós que se insere no ecossistema urbano em miscelânea com aquilo que ainda chamamos de meio rural ou “não urbano” e que pensamos erroneamente que está tão distante de nossas vidas.

Neste momento em que se discute assuntos como lixo, poluição atmosférica, aquecimento global e qualidade de vida em geral nas cidades é preciso que se entenda que sem áreas verdes para nos trazer trocas térmicas é impossível ter conforto, sem arborização para propagar a ventilação uma cidade como Belém que historicamente possui velocidades de circulação de ar com médias inferiores a 5 km/h nós cada vez mais nos sentiremos sufocados. Sufocados por um ar parada o qual pouco se renova, sufocados pela sensação de um calor cada vez maior, sufocados pela nossa própria incapacidade de enxergar que sem a boa sombras das copas de nossas árvores provavelmente não seriamos capazes de sequer andar a pé pela Av. Nazaré ou pela Presidente Vargas.

Em uma cidade com pouco mais de 92.000 (noventa e duas mil) árvores plantadas ao longo de nossas ruas, vemos a urbanização chegar cada vez mais rápido e mais avassaladora. Com o desejo de estarmos em um ambienta com cada vez mais confortos tecnológicos, esquecemos do verdadeiro conforto que o proporcionado pela qualidade do espaço que nos rodeia. Compramos condicionadores de ar sem pensar duas vezes consumindo cada vez mais recursos e energia quando poderia bastar plantar uma ou duas árvores em nosso quintal e gerar sombra e ventilação.

Contudo nós somos assim seres urbanos não é? Essa coisa de árvore é para o campo, para áreas “subdesenvolvidas”; ledo engano. Interessante é que o que poucos sabem é que essa lição os chamados “países desenvolvidos” já aprenderam. Atualmente uma variável importantíssima na equação em que se calcula a qualidade de vida nos países europeus por exemplo é a quantidade de em metros quadrados de áreas verdes por habitante. A Holanda se vangloria de ser o pais da Europa em que se pode ir a qualquer lugar com conforto e segurança usando uma bicicleta. Em outros se compete para saber qual cidade é a mais arborizada e o mais importante dentro das próprias casas se valoriza os jardins.

Enquanto isso aqui em nossa amada “cidade das mangueiras” nós cada vez mais nos sujeitamos a comprar apartamentos cada vez mais caros em prédios fincados em terrenos onde mal cabe o próprio prédio que dirá uma área verde; árvore da nossa região então é um sonho distante.

Será que vamos ter que passar pelo processo de autodestruição tão doloroso pelo qual o velho mundo passou para podermos aprender as lições que eles aprenderam? Não somos capazes de, enxergando os erros cometidos por outros, aprender a não cometê-los por aqui? Ou pior. Será que pecamos pela soberba de achar que mesmo diante de tais ensinamentos, estamos imunes as conseqüências de nossos erros? Esta hipótese me assusta.

*Rodrigo Viana – Diretor de Controle Ambiental da Semma Belém

Bacia da estrada nova

Canal e foto montagem

Na sexta feira a Prefeitura retirou as casas que ocupavam o canal da Quintino na saída do rio Guamá e que era responsável por todo o alagamento que ocorria na área da Conselheiro, Mundurucus, Pariquis.

O cuidado passou a ser ambiental, pois se não for retirado todo o lixo acumulado ao longo deste anos de entupimento, o destino será o Rio Guamá.´

Canais de Belém estão sendo retificados

Canais de Belém

Belém é uma cidade cortada por canais que recebem esgoto, lixo e entulhos. Alguns são antigos igarapés, como aquele onde o caboclo Plácido encontrou a imagem de Nossa Senhora de Nazaré e virou o canal da Quatorze.

O canal da Quatorze desce até a Pariquis e de lá segue pela Quintino, que após receber as águas do canal da Dr. Moraes, vai direto para o Rio Guamá.

Estes canais foram ocupados por palafitas e obstruídos por muito lixo, acumulado ao longo de décadas. Com o tempo, o leito dos canais estreitou, dificultando o esgotamento das água e causando inundações e alagamentos constantes. 

A Prefeitura de Belém contratou com o Banco Interamericano de Desenvolvimento o Programa de Saneamento da Bacia da Estrada Nova – PROMABEM, cujo contrato foi assinado em 02 de abril de 2009 e a data prevista para o último desembolso será em Abril de 2014.

O PROMABEN possui quatro componentes: Melhoria Ambiental e Habitacional; Infra-Estrutura Viária; Infra-Estrutura Sanitária;
e Sustentabilidade Social e Institucional. Os serviços e obras de engenharia que constituem o objeto desta solicitação de manifestação de interesse estão estruturados entre os três componentes descritos a seguir:
*Melhoria Ambiental e Habitacional – Este componente é constituído por: (i) obras de macro- e micro-drenagem que consistem na recuperação de 1,62 km de canais de drenagem; implantação de bacia de detenção de cheias com capacidade de armazenamento de 85.000 m³; 0,3 km de canais de descarga; sistema de comportas
para controle; recuperação de 7 km e execução de mais 13 km de rede de microdrenagem; e, (ii) reordenamento urbano e reassentamento, onde se inclui a implantação de soluções habitacionais para as famílias e pequenos negócios diretamente afetados pela construção das obras do programa.
*Infra-estrutura Viária – Este componente contempla a pavimentação/recuperação de aproximadamente 45.000 m de vias.
*Infra-estrutura Sanitária – Este componente contempla a implantação de 1,32 km de rede de abastecimento d’água e 5.009 ligações de ramais prediais; implantação de 36 km de rede coletora de esgoto, 5,28 km de interceptores, 10.300 ligações domiciliares, 1,72 km de linhas de recalque, três estações elevatórias e uma estação de tratamento de esgotos.

Canais final 

Hoje toda a sujeira produzida pelas mais de 400 mil pessoas ao longo deste canais é levada direto para dentro do rio Guamá. Será que ele suporta?

Oi minha madrinha.

O desespero por cargo é tanto, que tem gente ligando para futura primeira dama, com uma conversa de cerca lourenço, tipo: oi minha madrinha. Uma dica: Este é o pior caminho.

E por falar em composição de governo, convite para cargos e outros babados mais, contam que Tancredo Neves, antes de assumir o cargo de mandatário federal, resolveu fazer uma viajem para os EUA. Um amigo desesperado por uma nomeação, foi até o futuro governante e tentou antecipar as coisas. – Tancredo estão dizendo que serei Ministro no teu governo, como vais viajar, gostaria que me tirasse desta ansiedade antes da tua viajem, o que digo para estas pessoas? Tancredo, espertamente, aproveitou para se livrar do indigitado, e saiu-se com esta: – Diz que te convidei e que tu não aceitastes.

Vice que não trabalha conspira

Vice que não trabalha, conspira. A frase, como diz Lazaro Ramos no filme Ó, Pai, Ó! Não é meu, não. É de Brizola. Tanto serve para cá, quanto para alhures.

Mandato prorrogado

A Executiva Nacional do Partido Verde prorrogou o mandato dos dirigentes estaduais da legenda. Por mais um período, os atuais membros da Executiva Estadual do Partido Verde paraense comandarão a estratégia de construção partidária, que estará focada na aproximação dos temas ligados a sustentabilidade.

O PV paraense quer selar a paz com seu eleitorado e com ele construir cidades sustentáveis. Pensar em acessibilidade, mobilidade urbana, áreas verdes, saneamento e resíduos sólidos, e propor alternativas. 

Estamos discutindo a construção de chapas de prefeitos e vereadores realmente comprometidas com as questões ambientais e com as parcelas menos favorecidas da sociedade amazônica.

Edifício na esquina da Praça da República

Edificio na Pça da República

Está subindo um prédio bem na esquina da Governador José Malcher com a Piedade, defronte da Praça da República. O curioso é que a construção não tem placa de nada. Ninguém sabe se é um edifício de escritório ou de apartamentos.

Não se sabe quem é empresa construtora. Quem é o engenheiro responsável. Quantos andares terá. Nada. Nem uma informação. Sei apenas que devagar, devagarinho, a Praça da República será coberta por mais um paredão de concreto.

Se alguém de boa vontade obtiver qualquer informação, por favor, mande um comentário e nos ajude a entender este mistério.

Bispo contesta OAB do Pará

o Bispo do Marajó, D. Azcona, emitiu opinião contra o manifesto da Ordem dos Advogados do Brasil, seção Pará em defesa do Estado laico. O Bispo bate duro e acusa a Ordem de utilização ideológica do laico. “A OAB do Pará é livre para pensar a laicidade do Estado brasileiro, o aborto, as uniões homoafetivas como bem achar. O que nunca lhe será lícito é renunciar ao exercício constante da racionalidade, ao esforço infatigável, especialmente nestes tempos de `pensamento fraco´e de irracionalidade difusa, à aplicação dedicada ao estudo e à reflexão para não cair na tentação das mil formas do banal ou na trivialização das realidades mais profundamente humanas.”

Li o texto do Bispo, li novamente o manifesto da OAB e juro que não encontrei conteúdo para tamanha crítica. O Bispo se abespinhou, na verdade, com relação ao aborto e as relações homoafetivas. No caso do aborto, o manifesto defende um debate sério sobre o assunto. Na questão de homoafetividade, diz o manifesto: “é inadmissível que o país não consiga acompanhar estes avanços pela pressão de determinados grupos que inviabilizam o debate franco e aberto e a mobilização social.”

A OAB deve dizer ao Bispo: Dom Azcona, não se abespinhe. Vamos conversar.

Belo Monte não cumpre condicionantes

O Jornal Liberal tratou mal o caso Belo Monte em nota publicado no repórter70 deste domingo. A nota diz que a obra só começará em Abril e culpa o IBAMA de não ter liberado “uma tal de licença provisória”  por estar “atrapalhado nas análise técnica das 40 condicionantes exigidas para execução do empreendimento”.

Esta nota é absurda e desinforma as pessoas. Primeiro não existe no rol das licenças a modalidade “licença provisória”. Só existe a licença prévia, licença de instalação e licença de operação. Segundo é que nas condicionantes existem as chamadas obras antecipatórias.

O Consórcio Norte Energia, para obter a licença de instalação e instalar os canteiros de obras, arregimentando trabalhadores para os municípios da Transamazônica, deve antes construir escolas, hospitais e uma série de equipamentos urbanos. A empresa, ao invés de cumprir as condicionantes, está tentando partir a licença de instalação e com isto ganhar tempo para só construir as obras um pouco mais tarde.

Lyoto Machida x Rampage Jackson

O Palace of Auburn Hills, em Detroit (EUA), vai tremer neste sábado, com o UFC 123. A partir de 1h (de Brasília), o leitor do SRZD vai poder acompanhar, em tempo real, as emoções dos confrontos, com o resumo de cada luta tão logo esta acabe. Além disso, o visitante poderá participar e debater nos comentários.

Maconha e Merda

A Professora Edilza publicou um excelente post sobre a Origem dos Ditos Populares. Fiquei com invejinha e como estava lendo o livro “A origem curiosa das palavras”  de Márcio Bueno, resolvi seguir os passos da Professora e brindar a todos com a origem curiosa das palavras Maconha e Merda:

Maconha

Folhas e flores secas da planta chamada `cânhamo`, usadas como narcótico. O vocábulo se tornou sinônimo de `cânhamo´. A primeira curiosidade observada é que, embora `maconha´e `cânhamo`tenham origens completamente diferentes, na língua portuguesa ocorreu uma enorme coincidência: as duas palavras se escrevem exatamente com as mesmas letras, ou seja, são um anagrama uma da outra. A origem de `maconha`é o quimbundo makanha, plural de dikanha, que tem o significado de ´tabaco, erva santa`. Já a origem de `cânhamo`é o espanhol cáñamo, que por sua vez deriva do latim hispânico cannabum, que veio do latim clássico cannabis. Outra curiosidade: no quimbundo, o prefixo `ma-`(que entrou na formação de makanha), para nós é semelhante a `uma`, mas indica o plural. E o `di-`(que entrou na formação de dikanha) sugere algo como `dois`, mas representa o singular.

Merda

O termo é usado por atores de teatro para se desejarem boa sorte e sucesso no momento da entrada em cena. “Merda!”, dizem uns. A resposta é, geralmente: “Merda para você também!” Nesse sentido, a origem é o francês merde. De acordo com uma versão que circula no meio teatral, a interjeição começou a ser usada na França antes da encenação de uma peça de Molière. O espetáculo estava para começar e pouco antes de entrarem em cena os atores estavam em pânico nos bastidores, achando que a peça estavam mal ensaiada, que seria um desastre, e diziam: “Vai ser uma merda, uma grande merda”. O espetáculo estreou e foi um sucesso extraordinário, com a platéia aplaudindo de pé no final. Essa teria sido a origem – os atores, tentando repetir o resultado, passaram a sempre dizer ´merda´. Mas não foi possível confirmar a versão. O mais provável é que essa estranha forma de desejar sucesso seja para fazer graça, aliviando a tensão, exorcizando o medo, sensações naturais nos momentos que antecedem o inicio da atuação. Essa explicação se casa com as expressões usadas entre os bailarinos: “Quebre a perna!”, “Quebre o braço!”, ou “Caia do salto!”. Na língua inglesa usa-se a expressão correspondente Break a leg!.

Volta Beto Faro!

O Blog do Beto Faro deu um tempo e não retornou, volta Beto Faro!

image

Reforma do Código Eleitoral

Do Blog Espaço Aberto

image

O Brasil tem uma carga tributária elevada

Ouço comentários que o Brasil tem uma carga tributária elevada e tem. Pois retira do setor produtivo 40% de tudo que produz. Mas o país ainda tem uma divida social enorme, estamos muito longe de cumprir o que está escrito na Constituição, quanto a saúde, educação, assistência social e segurança pública.

Será que arrecadamos muito e gastamos mal? É um caminho para ser investigado. Do contrário devemos pensar que a carga tributária é alta, mas poucos pagam e uma parte sonega.

Outro aspecto que deve ser levado em consideração é a distribuição dos recursos arrecadados, pois a maior parte fica concentrado nas mãos da União e Estado que exportam, como é caso do Pará, ficam de pires na  mão, dependendo de uma compensação injusta por conta da Lei Kandir.

O episódio tributário mais recente é o retorno da CPMF com o nome diferente. Em vez de criar a contribuição da saúde, por que o Governo Federal não aproveita a força obtida nas urnas para fazer a reforma tributária? Quero saber sua opinião: você é a favor da CPMF ou da Reforma Tributária? Vote ao lado.

Ponte do Cortume

Lixão na Ponte do Cortume no Bairro da Terra Firme.

Os maiores municípios do Pará

Estes são os maiores municípios do Pará, em termos de segundo os dados do IBGE, censo de 2010.

Belém 1.351.618
Ananindeua 456.316
Santarém 291.122
Marabá 224.014
Castanhal 168.559
Parauapebas 149.411
Abaetetuba 139.749
Cametá 120.897
Bragança 112.285
Marituba 108.223

Mudança do nome da 25 de Setembro causa polêmica

O Prefeito em Exercício Walter Arbage, em cerimônia, agora pela manhã, no Palácio Antônio Lemos, sancionará a Lei Municipal que troca o nome da Avenida 25 de Setembro para Avenida Rômulo Maiorana. Este ato sacramenta a mudança, dai para frente devemos mudar mapas, catálogos, GPS e uma série de publicações.

Os moradores sofrerão um pouco mais, pois precisaram atualizar endereços em lojas, cartão de créditos, empresas, canet da YYamada, sites, blogs, etc. Mas o pior é acostumar o povo com o novo nome.

Tem gente que até hoje ainda chama São Jeronimo para Governador José Malcher; Tito Franco para Almirante Barroso, Primeiro de Dezembro para João Paulo II; Quinze de Agosto para Presidente Vargas; Maracangalha para Júlio Cesar; Conceição para Fernando Guilhom; Estrela para Mariz e Barros; Pirajá para Enéas Pinheiro. Mas nada que uma boa propaganda (ou será reclame? até isso mudaram de nome) não resolva.

A encrenca maior é acalmar a Polícia Militar, cuja Avenida 25 de Setembro prestava homenagem ao feito da Briosa em Canudos, mas até isto se resolve, basta a vereador Vanessa dá uma chegada a Corporação e explicar a importância da mudança.

Arborização de Belém

Você acha importante a arborização urbana? Ruas arborizadas e espaço verdes, comprovadamente, interferem para melhorar o clima e o microclima da Cidade. Acontece que a arborização e áreas verdes brigam com as construções, pavimentações e outros equipamentos urbanos.

Belém tem aproximadamente cento e dez mil árvores, é muito pouco. O ideal é termos um árvore por habitante ou 1.351.618 árvores para que a Cidade fosse considerada arborizada.

Buscando alcançar esta meta, a Semma, o Ministério Público, O Poder Judiciário e as instituições de pesquisas (Embrapa, Ufra, Museu Goeldi) lançaram ontem (18), em audiência pública, no auditório do edifício sede do MP, o Plano Municipal de Arborização Urbana de Belém.

Diretrizes do Plano:

  • Estabelecer programas de arborização, através de projetos que contemplem as características e peculiaridades da cidade;
  • Executar e manter atualizado o inventário da arborização urbana de Belém;
  • Adequar os projetos de arborização à estrutura viária existente, levando em consideração suas características de uso e ocupação;
  • Planejar a arborização conjuntamente com as instituições públicas e privadas responsáveis pelos projetos de implantação e ampliação da infraestrutura urbana;
  • Criar e operar um sistema de informações de plantio e manejo da arborização urbana, integrado ao Sistema de Informações Municipais de Belém – SIB;
  • Elaborar e executar o Programa de Implantação e Manejo da Arborização Pública do Município;
  • Planejar e identificar a arborização existente, como meio de tornar a cidade mais atrativa ao turismo, como uma estratégia de desenvolvimento econômico;
  • Compatibilizar e integrar os projetos de arborização urbana com os monumentos, prédios históricos ou tombados, e detalhes arquitetônicos das edificações;
  • Compatibilizar e integrar os projetos de arborização de vias com a sinalização de trânsito;
  • Observar as normas da Associação Brasileira de Normas Técnicas – ABNT quanto aos critérios de acessibilidade em áreas públicas;
  • Estabelecer critérios para propiciar a atração da avifauna na arborização de logradouros públicos;
  • Promover programas e parcerias com a comunidade cientifica e tecnológica objetivando a sensibilização e educação ambiental da comunidade, para a formação de agentes multiplicadores visando à conservação da Arborização Urbana;
  • Priorizar os procedimentos preventivos em relação às àrvores urbanas. 

Terminada a audiência pública, coletada as sugestões da comunidade, o Grupo de Trabalho comporá a versão final a ser entregue ao Prefeito que enviará a Câmara Municipal para o debate legislativo e a transformação em lei municipal. 

25 de Setembro vai mudar de nome

A Avenida 25 de Setembro vai mudar de nome para Rômulo Maiorana. O Projeto já foi aprovado pela Câmara Municipal de Belém e agora segue para sanção do Prefeito Duciomar Costa.

Apenas para registro histórico lembro que a data 25 de Setembro de 1897, segundo Ernesto Cruz, comemorava-se a vitória da força policial paraense em Canudos.

A homenagem a Rômulo Maiorana, líder do grupo de comunicação ORM, é bastante justa, pois homenageia uma grande e visionário empreendedor, mas suscitará o desejo dos herdeiros do grupo RBA de homenagear também o seu fundador Laércio Barbalho, político bastante influente em determinado período da nossa história.

Para homenagear Laércio Barbalho dou como sugestão a rua da Municipalidade, que passa as imediações da antiga sede do jornal O Diário do Pará. A Municipalidade guarda o nome original e tem por proposito homenagear o próprio município de Belém, por tanto se for trocada, prestará a justa homenagem sem desagravar ninguém. Fica a sugestão.

Aproveito o momento para propor ao vereador Carlos Augusto, presidente da Câmara em exercício, que crie uma comissão de estudos, com apoio do departamento de história da Universidade Federal do Pará, para levantar e construir um catálogo sobre os nomes das ruas, travessas, avenidas e praças e o significado de cada homenagem.

O catálogo serviria para corrigir erros, omissões e orientar novas mudanças, além dar conhecimento a sociedade das homenagens que ela presta. A única publicação que temos neste sentido é a de Ernesto Cruz e atinge apenas a primeira légua patrimonial de Belém.

O que os adolescentes assistem

Tenho dois filhos adolescentes e curto tudo o que eles curtem sem querer ser eles, apenas para tentar entende-los e não ser um pai ausente.

Compartilho com você, que é pai, um dos vídeomakers que faz sucesso na Youtube, chamado Felipe Neto, que posta sob o título: Não faz Sentido! opiniões sobre coisas e loisas, e que atrai a atenção de adolescentes como os meus filhos. Quem sabe o seu filho também não assiste e, por isso, acho bom você assistir.

O canal do Felipe Neto no Youtube para assistir outros vídeos é: http://www.youtube.com/user/felipeneto

Praças para o povo

O Partido Verde na Semma estabeleceu construir nas periferias da Cidade. A ordem é onde encontrar um espaço e uma comunidade disposta a ajudar a zelar, a Semma vai lá e constrói um espaço de lazer. 

Esta sendo assim nas Malvinas, uma área carente que fica atrás do Casota. A comunidade pediu e se comprometeu em zelar e os técnicos da Semma estão transformando o que era lixão e atoleiro numa Praça. Ainda não está pronta. Falta a grama. Os brinquedos. A pintura, mas as crianças já estão usando e como estão.

Malvinas 3

Licença antecipatória

O Liberal disse que foi negado pelo Ibama ao consórcio Norte Energia a Licença Antecipatória de Belo Monte. Não existe está modalidade de licença. O que o Ibama ainda não concedeu foi a licença de instalação, porque a empresa não fez as obras antecipatórias e não apresentou o relatório previsto no licenciamento prévio.

As principais obras antecipatórias previstas na LI são as seguintes:

2.7 Os convênios referentes aos Planos de Requalificação Urbana, Articulação Institucional e Ações Antecipatórias, propostas no EIA e suas complementações, deverão ser assinados pelo empreendedor e entidades governamentais e apresentados no PBA, acompanhados de cronogramas visando propiciar o atendimento da demanda suplementar provocada pelo empreendimento, bem como suprir o déficit de infra-estrutura, de forma a garantir que os resultados dos indicadores socioeconômicos, ao longo do desenvolvimento dos programas e projetos, sejam sempre melhores que os do marco zero.
2.8 Propor e efetivar convênios, para ações de fortalecimento, com as entidades responsáveis pela fiscalização de crimes ambientais, como o tráfico de animais silvestres e a exploração madeireira na região (IBAMA, OEMA do Pará, Polícia Ambiental, entre outros).
2.9 Incluir entre as ações antecipatórias previstas: i) o início da construção e reforma dos equipamentos (educação/saúde), onde se tenha a clareza de que serão necessários, casos dos sítios construtivos e das sedes municipais de Altamira e Vitória do Xingu; ii) o início das obras de saneamento básico em Vitória do Xingu e Altamira; iii) implantação do sistema de saneamento básico em Belo Monte e Belo Monte do Pontal, antes de se iniciarem as obras de construção dos alojamentos.
CONTINUAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE VALIDADE DA LICENÇA PRÉVIA Nº 342/2010
2.10 Apresentar em até 30 dias após a definição do concessionário de geração a estratégia para garantir que toda infra-estrutura necessária que antecede as obras – Ações Antecipatórias - seja efetivamente implantada, sem o que não será concedida a Licença de Instalação.
2.11 Apresentar relatório das ações antecipatórias realizadas, comprovando sua suficiência para o início da implantação do empreendimento.

Restaurante na Praça

Quando for visitar o prédio da Loja Paris N´América, aproveite para almoçar bem ao lado, coladinho, na Praça Barão do Guajará funcionam vários restaurantes, em plena praça, onde servem todo tipo de comida, inclusive chapas. As mesas são protegidas por enormes lonas brancas e azuis, sustentadas por colunas de madeiras, amarradas por cabos de naylon e fixadas em baldes com cimento.

Paris N´América

O prédio da Loja Paris N´América é sempre um espetáculo para o deleite de quem aprecia uma bela arquitetura, mesmo não sendo um especialista no assunto. O edifício é tão belo que mesmo sem manutenção se sobressai frente a todos os outros do seu entorno. Fica bem ali na Praça Barão de Guajará, no centro comercial.

Belo Monte só depois de atender as condicionantes

Técnicos do IBAMA emitem dois pareceres contrários a licença de instalação requerida pela consórcio Norte Energia, responsável pela construção da Usina Hidrelétrica de Belo Monte. Para você entender melhor o processo de Belo Monte acompanhe o roteiro:

1. O IBAMA emitiu uma licença prévia com 40 condicionantes, incluindo medidas antecipatórias;

2. O empreendedor, de posse da licença, teria que produzir o Plano Básico Ambiental, comprovar que adotou as mediadas antecipatórias previstas na Licença Prévia, para então requerer a Licença de Instalação;

3. A licença de instalação dará direito a instalar os canteiros de obras e iniciar a construção da usina;

4. Depois da Usina pronta e cumprida as regras da licença prévia é que o empreendimento receberá a Licença de Operação.

Acontece que o Consórcio Norte Energia deu entrada no PBA em 31 de agosto de 2010 (conheça e acompanhe o andamento do processo) e deseja que a licença de instalação seja liberada por parte, sem o cumprimento das condicionantes previstas na Licença Prévia. Se isto acontecer será um atentado aos interesses da população local e do meio ambiente. Pois todas as obras previstas e prometidas ao povo de Altamira e região serão postergadas.

Neste caso devo sugerir, como membro da comissão especial criada pela OAB-Pará, ações contrárias a este empreendimento. Proporei até que a Ordem dirija-se ao Senhor Presidente Lula cobrando postura enérgica, pois foi dele que recebi a promessa, em Altamira, por ocasião de sua visita, quando ali representava a OAB-Pará, que nem um prego seria posto no empreendimento antes do cumprimento das condicionantes.

Conheça as condicionantes da Licença Prévia clicando na Página Licença de Belo Monte

A maldade desta gente é uma arte

Em Bragança, neste final de semana, políticos locais diziam que o governador eleito Simão Jatene teve menos voto no segundo turno que no primeiro. Será? Fui conferir e era verdade.

No primeiro turno Jatene obteve 26.145 e no segundo caiu para 25.694. Voltei aos meus interlocutores e perguntei: qual é o problema? Eles estufaram o peito e disseram: o apoio de Simone e de Paulo Quadros a Jatene foi devastador. Eu ainda retruquei: - gente segundo turno é diferente, são apenas dois candidatos e o tempo é corrido.

Como insistiam tanto na tese de que a diminuição dos votos de Jatene era decorrente do apoio dos dois políticos, resolvi ficar calado e encerrar a conversa, afinal a eleição já passou e os eleitos devem ser respeitados. De qualquer maneira vai aqui um comparativo dos números bragantinos.

  1º Turno 2º Turno Diferenças
Simão Jatene 26.145 25.694 - 451
Ana Júlia 17.921 22.235 4.314
Juvenil 6.774 - - 6.774
Fernando Carneiro 965 - - 965
Cleber Rabelo 446 - - 446
Nulos 1.803 1.322 - 481
Abstenção 15.754 21.015 5.261
Brancos 973 516 - 457

Quem ganhou votos no segundo turno bragantino foi Ana Júlia e a abstenção. Pronto. Números são números.

Compra de votos elege muita gente boa

Depois da diplomação dos eleitos pelo TRE, dizem os bastidores políticos, haverá uma chuva de ações contra os diplomados. As ações não darão entrada antes da diplomação para não provocar uma recalculo do quociente eleitoral.

Dizem que as provas de compra de votos e abusos de poder econômico dos futuros diplomados são fartas. Uma parte já está em poder do Ministério Público, apreendido em recente operação. Outras estão nas mãos dos partidos e dos candidatos com interesse. Quem viu, diz que tem até vídeo, vamos aguardar.

Caixa dois também é crime com justificativa

Acabo de ler na Veja uma reportagem especial sobre as mentes criminosas. O corajoso repórter, Kalleo Coura, percorreu 23 presídios, entrevistando 90 apenados, todos assassinos. Uns mataram para roubar, outros por ciúmes, por vingança, por dinheiro e por pura maldade.

O comum das histórias é que todos os criminosos tem uma justificativa para seus crimes. Os latrocidas, por exemplo, atribuem a morte à reação das vítimas ao assalto. Os bandidos dizem que seu único interesse era o patrimônio, e se a vítima tivesse colaborado nada daquilo teria acontecido, para finalizar, concluem: “se não fosse ele seria eu”.

Ao terminar de ler, juro, não me furtei (furtei?) em compará-los a outro tipo de criminoso, o político corrupto, aquele que faz o caixa dois para financiar sus campanhas.

Eles apenas querem o voto para ter poder, mas a vítima, o eleitor, por não acreditar em promessas, reage pedindo algo em troca. O corrupto, então, desvia o recurso público, contrata cabos eleitorais e satisfaz a exigência do eleitor. Sua consciência não doe, não há remorsos, ao contrário, ainda se sente ajudando os mais carentes.

Círio de Bragança 2010

A Imagem chega ao Palácio Episcopal e é recebida pelo clero bragantino. Agora, a Missa.
Enviado do meu BlackBerry® da Oi.

Tweet de @ZindaNunes

@ZindaNunes: @zecarlosdopv acho q essaf oto ta melhor http://twitpic.com/36sy7l


Enviado do meu BlackBerry® da Oi.

Círio de Soure 2010

Recebi esta imagem de @ZindaNunes. Nossa Senhora reina de Bragança a Soure.

Enviado do meu BlackBerry® da Oi.

Cirio de Bragança 2010

O colorido das sobrinhas neste nublado de domingo em Bragança.

Cirio de Bragança 2010

Superou em muito o número de romeiros no Cirio de Bragança, 2010. Quando a Berlinda chegou ao bairro do Cereja, o inicio da procissão já estava atras do Hospital Sto. Antonio.

Cirio de Bragança 2010

Cirio de Bragança 2010

Enviado do meu BlackBerry® da Oi.

Cirio de Bragança 2010

Cirio de Bragança 2010

Cirio de Bragança 2010

Cirio de Bragança 2010

Cirio de Bragança 2010

Cirio de Bragança 2010

Bike no Cirio de Bragança

Helder coordenador da campanha da Dilma?

Tem coisa que realmente são estranhas, principalmente no ambiente político. Hoje li que o prefeito Helder Barbalho participou de um jantar oferecido aos prefeitos coordenadores da campanha de Dilma. Helder era um dos coordenadores da campanha da presidenta? Parece que sim.
Fiquei admirado ao saber desta informação, porque Dilma esteve no Pará apenas uma vez durante toda a campanha para um comício justamente em Ananindeua e o Prefeito não estava presente para recepciona-la, como é que isso? Sei lá! Isto também não é da minha conta.

Partido punirá infiéis

O Partido Verde resolveu abrir procedimento para apurar falta ética de dois parlamentares, o deputado Deley Santos e o vereador Orlando Reis. Os dois parlamentares descumpriram o que foi deliberado na Convenção, órgão máximo da democracia partidária, além de praticar atos que desgastaram a imagem do PV, ferindo artigos do nosso estatuto, inclusive realizando reunião paralela como se fosse um evento oficial do Partido.
A Comissão de Ética, instalada, avaliará as denuncias, dará amplo direito de defesa e depois fará um relatório com sugestões de penalidades à Executiva Estadual, que tomará a decisão final.
Em caso da direção optar pelo desligamento dos parlamentares, haverá, principalmente no caso do vereador Orlando Reis, o desdobramento sobre se deve ou não o PV reivindicar o mandato, pois o mandato, por lei, pertence ao Partido.
Como sou eu o primeiro suplente de vereador, já deixei claro ao PV que não pretendo assumir o cargo de vereador de Belém em decorrência de uma eventual desligamento do titular atual.
Todos os mandatos eleitivos que exerci até a presente data, um de vereador e dois de deputado estadual, foram conquistados democraticamente por meio de votos e pretendo que assim continue.

Belém perdes áreas verdes

Belém sem verde outeiro e mosqueiro

Nesta foto destaco a degradação do Outeiro e o avanço sobre as áreas verdes do Mosqueiro. Chamo atenção para o fato de que só foi possível manter áreas verdes no continente através do mecanismo de Unidades de Conservação, como é o caso da Apa Belém e das áreas militares no controle das Forças Armadas. 

Governadora cria Parque Estadual no Marajó

O Pará ganhou mais uma Unidade de Conservação, desta vez na Ilha do Marajó. A governadora Ana Júlia Carepa assinou decreto criando na Ilha do Marajó, no município de Afuá, o Parque Estadual Charapucu que visa a preservação do ecossistema para pesquisa cientifica e o turismo ecológico.

O Parque foi um trabalho de Crisomar Lobato da Coordenadoria de áreas de conservação da Sema estadual e será levado ao encontro que a Unesco realiza no México, onde um dos destaque será o arquipélago do Marajó. A nova área de conservação mede 65.181,94 ha.

 

D E C R E T O Nº 2.592, DE 9 DE NOVEMBRO DE 2010

Cria o Parque Estadual Charapucu no Município de Afuá, e dá outras providências.

A GOVERNADORA DO ESTADO DO PARÁ, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo art. 135, inciso V, da Constituição Estadual, e

Considerando o disposto no artigo 23, incisos VI e VII e o artigo 225, § 1º, inciso III da Constituição Federal; e de acordo com o artigo 17, incisos VI e VII combinado com o artigo 255, inciso V da Constituição do Estado do Pará, e bem como o disposto no artigo 22, § 4o combinado com o artigo 9°, a Lei Federal nº 9.985, de 18 de julho de 2000 e o artigo 10 da Lei Estadual nº 6.745, de 6 de maio de 2005, que institui o Macrozoneamento Ecológico-Econômico do Estado do Pará e dá outras providências, e o que consta do Processo n° 2010/236467, da Secretaria Estadual de Meio Ambiente - SEMA,

D E C R E T A:

Art. 1º Fica criado o Parque Estadual Charapucu, no Município de Afuá, com o objetivo básico de preservar os ecossistemas naturais de grande relevância ecológica e beleza cênica, possibilitando a realização de pesquisas científicas e o desenvolvimento de atividades de educação e interpretação ambiental, de recreação em contato com a natureza e de turismo ecológico. Visa também contribuir para a manutenção dos serviços ambientais, bem como garantir os processos ecológicos naturais. A visitação pública está sujeita às normas e restrições estabelecidas no Plano de Manejo da unidade, às normas estabelecidas pelo órgão responsável por sua administração, e àquelas previstas em regulamento.

Art. 2º O Parque Estadual Charapucu tem uma área com forma de um polígono irregular, envolvendo uma superfície 65.181,94 ha (sessenta e cinco mil, cento e oitenta e um hectares e noventa e quatro ares) e perímetro de 130.070,00 (cento e trinta mil e setenta metros).

Esta descrição inicia no Ponto 01, de coordenadas UTM 9.978.592,95 N, 547.961,54 E e coordenadas geográficas de Latitude 00° 11’ 37,21” Sul e Longitude 50° 34’ 08,34” Oeste, SAD 69 referida pelo meridiano central 51° W.Gr., localizado na margem esquerda da foz do Rio Cajari com a Baía do Vieira Grande; daí, segue em linha reta na direção Sudeste, até o Ponto 02, de coordenadas geográficas Latitude 00° 12’ 23,91” Sul e Longitude 50° 33’ 43,19” Oeste, localizado aproximadamente nas nascentes do Igarapé Taperebá; deste ponto, segue pela margem direita do referido Igarapé, no sentido do fluxo das águas, na direção geral Sudeste até o Ponto 03, de coordenadas geográficas Latitude 00° 13’ 38,54” Sul e Longitude 50° 33’ 03,52” Oeste; localizado na desembocadura do Igarapé Taperebá com o Rio Mocambo; daí, segue em linha reta na direção Sudeste até o Ponto 04, de coordenadas geográficas Latitude 00° 14’ 18,30” Sul e Longitude 50° 33’ 3,52” Oeste, localizado na margem esquerda do Rio Cajari; deste ponto, segue pela margem esquerda do referido Rio no sentido de sua nascente, na direção Sudeste até alcançar o Ponto 05, de coordenadas geográficas Latitude 00° 15’ 58,55” Sul e Longitude 50° 31’ 08,23” Oeste, localizado na margem do Rio Athanthinzinho; daí, segue em linha reta na direção Sudeste até o Ponto 06, de coordenadas geográficas Latitude 00° 16’ 34,74” Sul e Longitude 50° 29’ 18,51” Oeste; localizado na margem do Rio Athanthim, de onde segue pela margem esquerda até alcançar o Ponto 07, de coordenadas geográficas Latitude 00° 16’ 52,37” Sul e Longitude 50° 28’ 36,10” Oeste, localizado na margem esquerda do Rio Céu; daí, ainda na direção geral Sudeste, segue em linha reta até alcançar o Ponto 08, de coordenadas geográficas Latitude 00° 18’ 48,32” Sul e Longitude 50° 26’ 06,94” Oeste; deste ponto, em uma linha reta, toma a direção geral Sudoeste até o Ponto 09, de coordenadas geográficas Latitude 00° 20’ 27,64” Sul e Longitude 50° 27’ 14,47” Oeste, localizado no Rio Igapuia; daí, segue em linha reta na direção Sudeste até o Ponto 10, de coordenadas geográficas Latitude 00° 21’ 08,35” Sul e Longitude 50° 23’ 04,50” Oeste, localizado no Rio Medonho; daí, segue em linha reta na direção geral Sudeste, até o Ponto 11, de coordenadas geográficas Latitude 00° 22’ 45,20” Sul e Longitude 50° 22’ 18,61” Oeste, localizado na nascente de um Rio sem denominação; daí, segue ainda na direção geral Sudeste até encontrar o Ponto 12, de coordenadas geográficas Latitude 00° 25’ 41,24” Sul e Longitude 50° 19’ 27,76” Oeste, localizado na margem esquerda do Rio Santana com foz do Rio Timbó; de onde, toma a direção Sudoeste, pela margem esquerda do Rio Santana até o Ponto 13, de coordenadas geográficas Latitude 00° 27’ 07,92” Sul e Longitude 50° 20’ 19,99” Oeste; localizado na margem esquerda do Rio Santana; deste ponto, toma a direção geral Sudoeste numa linha reta até encontrar o Ponto 14, de coordenadas geográficas Latitude 00° 29’ 09,16” Sul e Longitude 50° 29’ 50,61” Oeste, localizado na margem direita do Rio Jurará; daí, segue pela margem direita do Rio Jurará até o Ponto 15, de coordenadas geográficas Latitude 00° 29’ 16,38” Sul e Longitude 50° 30’ 39,40” Oeste; deste ponto, segue por um furo sem denominação na direção Norte até o Ponto 16, de coordenadas geográficas Latitude 00° 27’ 57,38” Sul e Longitude 50° 30’ 42,63” Oeste; daí, segue até o Ponto 17, de coordenadas geográficas com Latitude 00° 27’ 50,25” Sul e Longitude 50° 30’ 51,62” Oeste; deste ponto, segue até o Ponto 18, de coordenadas geográficas com Latitude 00° 27’ 54,24” Sul e Longitude 50° 31’ 45,11” Oeste, localizado margem direita do Rio Gama; daí, segue na margem direita do referido Rio até o Ponto 19, de coordenadas geográficas com Latitude 00° 27’ 24,01” Sul e Longitude 50° 31’ 28,01” Oeste; localizado entre os Rios Gama e Preto; deste ponto, segue pela margem direita de um furo sem denominação até o Ponto 20, de coordenadas geográficas com Latitude 00° 26’ 54,02” Sul e Longitude 50° 31’ 53,67” Oeste, localizado na margem do Rio Preto; daí, segue até o Ponto 21, de coordenadas geográficas Latitude 00° 26’ 47,03” Sul e Longitude 50° 31’ 50,45” Oeste, localizado na margem do Rio Preto; daí, segue em linha reta na direção Noroeste, pela margem de um Rio sem denominação até o Ponto 22, de coordenadas geográficas com Latitude 00° 26’ 38,31” Sul e Longitude 50° 32’ 17,72” Oeste, localizado na nascente do Rio sem denominação; daí, segue em linha reta na direção Sudoeste até o Ponto 23, de coordenadas geográficas com Latitude 00° 27’ 23,68” Sul e Longitude 50° 36’ 00,17” Oeste, localizado na margem direita do Rio Ipixuna; deste ponto, segue pela margem direita do referido Rio, até chegar na foz do Rio Itaboca, passando por dois Rios sem denominação, de onde alcança o Ponto 24, de coordenadas geográficas Latitude 00° 27’ 01,85” Sul e Longitude 50° 39’ 26,78” Oeste, localizado na margem do Rio Itaboca; daí, segue pela margem do Rio Itaboca, na direção geral Norte, até o Ponto 25, de coordenadas geográficas Latitude 00° 25’ 17,26” Sul e Longitude 50° 38’ 50,90” Oeste, localizado na nascente de um Rio sem denominação; daí, segue pela margem do referido Rio, na direção Noroeste até o Ponto 26, de coordenadas geográficas Latitude 00° 24’ 48,55” Sul e Longitude 50° 39’ 27,69” Oeste, localizado na nascente de um Rio sem denominação; daí, segue em linha reta na direção geral Noroeste, até o Ponto 27 de coordenadas geográficas Latitude 00° 23’ 31,04” Sul e Longitude 50° 40’ 00,15” Oeste, localizado na margem esquerda do Rio Itaboca; daí, segue em linha reta, na direção Noroeste, até alcançar o Ponto 28, de coordenadas geográficas Latitude 00° 22’ 57,40” Sul e Longitude 50° 40’ 27,76” Oeste, localizado na margem esquerda do Rio Palito; deste ponto, segue pela margem de um Rio sem denominação na direção geral Norte, até alcançar o Ponto 29, de coordenadas geográficas Latitude 00° 21’ 55,58” Sul e Longitude 50° 40’ 07,42” Oeste, localizado em Rio sem denominação; daí, numa reta, toma a direção geral Nordeste, até encontrar o Ponto 30 de coordenadas geográficas Latitude 00° 15’ 5,87” Sul e Longitude 50° 36’ 0,78” Oeste, localizado na nascente do Rio Mocambo; deste ponto, segue em linha reta na direção Noroeste, até alcançar o Ponto 31, de coordenadas geográficas Latitude 00° 14’ 13,36” Sul e Longitude 50° 36’ 55,10” Oeste, localizado na margem direita da Baía do Vieira Grande. Finalmente, segue pela margem direita da Baía do Vieira Grande, no sentido do fluxo das águas até alcançar o Ponto 01, início da descrição deste perímetro, fechando o polígono irregular.

Parágrafo único. O subsolo da área descrita no caput deste artigo integra os limites do Parque Estadual Charapucu.

Art. 3º As áreas inseridas nos limites do Parque Estadual Charapucu poderão ser utilizadas para fins de compensação de reserva legal na forma da legislação federal e estadual pertinente e nos termos de seu Plano de Manejo.

Art. 4º Ficam autorizados a Procuradoria-Geral do Estado e o Instituto de Terras do Pará - ITERPA a promoverem as medidas administrativas e judiciais necessárias à regularização fundiária das áreas integrantes do Parque.

Parágrafo único. As terras de domínio de entes de outra esfera de governo inseridas na área do Parque serão objeto de convênios específicos visando a regularização fundiária.

Art. 5º Fica atribuída ao Comando-Geral da Polícia Militar do Estado em parceria com a Secretaria de Estado de Meio Ambiente a responsabilidade pela guarda e conservação da área descrita no art. 2º deste Decreto, competindo ao Comando-Geral da Polícia Militar do Estado a adoção de providências necessárias para evitar invasões e danificações de qualquer natureza, e a Secretaria de Estado de Meio Ambiente, compete o estabelecido na legislação em vigor.

Art. 6º Caberá a Secretaria de Estado de Meio Ambiente - SEMA administrar e Presidir o Conselho Consultivo do Parque Estadual Charapucu, a ser constituído por representantes de órgãos públicos e de organizações da sociedade civil, adotando as medidas necessárias à sua efetiva proteção e implantação.

Art. 7° Este Decreto entra em vigor na data de sua publicação.

PALÁCIO DO GOVERNO, 9 de novembro de 2010.

ANA JÚLIA DE VASCONCELOS CAREPA

Governadora do Estado

Belém perde áreas verdes

Belém sem verde 2010

Agora é definitivo. As imagens são de 1986 e 2008 do satélite LANDSAT 5/TM, comparadas com a imagem de 2010 do Google Maps. Nada vou dizer. Tire você suas próprias conclusões.

Belém perde áreas verdes

Belém sem verde

Os recortes das imagens do satélite LANDSAT 5/TM de 1986 (primeira imagem) e 2008 (segunda imagem) são definitivos para mostrar o quanto de áreas verdes Belém vem perdendo em apenas 12 anos de observação.

O avanço sobre as áreas verdes não ocorre apenas no continente. As imagens mostram que nas três grandes ilhas, Caratateu, Mosqueiro e Cotijuba, o avanço das construções sobre as áreas verdes é enorme.

Belém está perdendo áreas verdes

imageO Bosque Rodrigues Alves é um grito da natureza em plena Almirante Barroso. Carros jogando fumaça na cara dos vegetais todas as horas. É uma luta dos poucos homens e mulheres abnegados que diariamente trabalham na manutenção do Jardim Zoobotânico.

Belém está perdendo áreas verdes

image

Veja o Museu Goeldi cercado de prédios por todos os lados. É um milagre esta área sobreviver em meio a tanta poluição e ilhas de calor.

Áreas Verdes de Belém, é bom preserva-las!

Sobre a nota que discute a diminuição das áreas verdes de Belém recebi o comentário do Dr. Roberto Pinheiro, diretor da Semma Belém e dirigente do PV da capital.

Prezado Zé Carlos,
Quando inauguramos o Parque dos Igarapés tivemos em mente dar a população de Belém uma demonstração de que é possível a implantação de empreendimentos mantendo a cobertura vegetal original.
Nosso discurso, que foi implantado na prática, é de que nenhuma árvore foi derrubada, para a implantação do Parque dos Igarapés.
Todos que visitam o Parque, sejam naturais de Belém ou de outras regiões, são unânimes em reconhecer como é gostoso e aprazível o local, exatamente em função da proteção do verde.
Desde então, em constantes contatos com a Administração Pública Municipal, sempre perguntamos: Qual é a cidade que queremos? Cidades como algumas metrópoles como a capital do Zaire (cujo nome agora não me recordo) ou por exemplo Curitiba, que valorizam o verde enquanto fator fundamental para a amenização do clima, ainda mais numa cidade equatorial como a nossa.
Ao longo desses 20 anos de existência do Parque dos Igarapés o que podemos constatar, com imensa tristeza e preocupação, olhando as imagens de Belém obtidas por satélite, é a paulatina e acentuada destruição de todo o verde nas proximidades. Vai ficando uma cada vez menor cobertura na mata ciliar do rio Ariri e o Parque dos Igarapés vai se tornando refúgio para a bicharada do entorno.
Daí que ganha também importância a criação do Parque do rio Ariri, antiga reivindicação de moradores do Conjunto Satélite, como forma de contribuir para manter o que ainda existe da área destinada a preservação, quanto da implantação daquele conjunto.
Saudações Verdes,
Roberto Pinheiro

O Doutor, professor da Universidade Federal do Pará, advogado de grande saber jurídico e bragantino acima de qualquer título, Paulo Weyl, postou um comentário a cerca dos números do Censo do IBGE que divido com vocês.

Caro Zé.
Quem faz política, e preocupa-se honestamente com o bem estar, precisa interpretar bem esses números (ou vai continuar a falar bobagem por ai).
O Pará recebeu a metade do crescimento populacional de toda a região norte, em 10 anos.
Caro amigo. Se temos dificuldades, em condições normais, de dar conta dos déficits de saúde, educação, saneamento...então, imagina, como suportar a resolução dessas questões mediante o aumento da pressão por prestação de serviços.
Não quero justificar nada de ninguém, até porque recuso às avaliações políticas pautadas pelo conceito já formatado (que muitos podem até chamar de preconceitos, mas ai muita gente vai ficar zangada, recusando o conceito, então, prefiro a expressão, conceito já formatado).
Veja Zé.
Esses números mostram que o poder público, a Assembléia Legislativa, precisa pensar o Planejamento do desenvolvimento humano para o ano 2025, o primeiro quartel do século XXI, como tenho dito, pautado em tendências que se desenham por esse corte comparativo 2000/2010, combinado com a leitura da conjuntura econômica, que aponta para investimentos diferenciados em determinadas regiões/municípios.
O Estado do Pará, mediante essa tendência, pode realizar desenhos diferenciados, mediante a classificação de municípios levando em conta essa tendência.
É que há municípios que mantém a população quase inalterada; outros cujo aumento populacional mantém-se de forma equilibrada, em torno de 10% a 20 % ( o que já não é tão pouco assim).
Há alguns, todavia, que tem crescido de 30% até mais de 100%, como é o caso de Parauapebas.
Trata-se de um caso impar. Chamo atenção, mesmo considerando toda a riqueza gerada nesses municípios, o poder público municipal´será incapaz de suportar o vertiginoso crescimento.
Caso não tenhamos uma ação coordenada, com a intervenção do Estado, da União e dos Municípios, de forma orgânica e planejada, teremos invariavelmente o crescimento econômico proporcional ao crescimento da miséria humana, de todo tido de iniqüidades, de violência, de exclusão social.
Porque o crescimento econômico,por si só, caro Zé, não garante inclusão, não garante distribuição, não garante a atenção das demandas da sociedade.
Não é a toa que as cidades que citei tem se destacado na proliferação de formas diferentes de violência, distintas e em uma palavra, 'modernas' ou compatível com a violência dos grandes centros urbanos, de São Paulo e Rio de Janeiro.
Veja, para citar, a semelhança do desaparecimento de Eliza Samudio com o desaparecimento da moça Karina, em Pebas. Veja a recente execução do Magrão, em um baile Rave, em Parauapebas, com a eliminação por milícias realizadas na periferia de São Paulo, Rio de Janeiro, Espirito Santo e outras capitais.
Um abraço caro amigo
Paulo Weyl

Dr. Evaldo Pinto explica por que a OAB decidiu participar da equipe de transição?

Solicitei a diretoria da OAB-Pa uma entrevista onde indaguei o seguinte: As razões pelas quais a OAB aceitou participar da transição? Qual é o objetivo da Ordem neste processo de transição? Como serão disponibilizadas as informações sobre o trabalho dos membros da Ordem para o conhecimento dos advogados paraenses e da sociedade?

Recebi, agradeço a gentileza e publico as repostas enviadas pelo nosso vice-presidente, dr. Edvaldo Pinto.

EVALDO

A OAB é uma instituição que opera em um duplo viés, sendo um de regulamentação, fiscalização e defesa da advocacia, que acaba sendo seu fim precípuo. A outra atividade esta vinculada a defesa social, do estado democrático de direito, do aperfeiçoamento da cultura e das instituições jurídica.

Nesse diapasão, tem se firmado, historicamente, como serviço público a disposição da sociedade civil. Seu posicionamento firme na defesa social tem a credenciado para gerenciar crises e propor ações em favor da sociedade em geral ou determinados tipos sociais. Assim, sempre que o assunto for de interesse publico, a OAB tem legitimidade ativa para agir.

No caso da transição do governo do estado, temos que lembrar os princípios da impessoalidade e continuidade da administração publica. A alternância no poder tem se demonstrado salutar ao exercício da democracia, e quanto menos traumática for, melhor para a sociedade. Se for desejo dos governantes que haja uma equipe de transição, que possa minimizar os impactos, da alternância na Administração, e que a OAB participe dessa equipe como legitima representante da sociedade civil, estamos dispostos, como sempre, a prestar mais este relevante serviço a democracia e a administração publica.

Assim, quando for formada a equipe, estaremos participando de todos os atos, sendo nossa equipe constituída pelos diretores Evaldo Pinto, Alberto Campos e Jorge Medeiros, além dos conselheiros Raphael Vale e Robério d'Oliveira.

Belém está perdendo áreas verdes

Belém

É sensível a perda de áreas verdes da Cidade de Belém. Quem olha no mapa verifica que são poucas as manchas verdes sobrevivem na área continental de Belém. As maiores são o Museu Emilio Goeldi, o Bosque Rodrigues Alves, O Parque Ecológico de Belém, o Parque Ecológico do Utinga, aeroporto internacional, Paracuri e a área da Embrapa. O que fazer para preservar este pouco verde existente e criar novas áreas?

A decisão mais acertada é a de preservar as áreas atuais, uma vez que extremamente impossível obtermos novas áreas verdes, pois para isso será preciso desapropriar área atualmente ocupadas e em uso por particulares, para regeneração florestal. O movimento é justamente na direção inversa.

As áreas apontadas acima, as únicas que nos restam no continente, são todas protegidas por lei ou em estágio de proteção, mas não estão passíveis de reversão para outros usos, principalmente o habitacional, pois é grande a procura por espaços para construção de empreendimentos habitacionais.

Além da procura do setor imobiliário por novos espaços para os seus empreendimento, a Cidade reclama a construção de novos equipamentos urbanos, como escolas, postos de saúde, prédios administrativos e novas vias públicas para suportar a chegada diária de novos veículos que de hora em hora são incorporadas a frota já existente.

A perda de áreas verdes já é dramática e reclama um movimento de conscientização de toda Belém. Os quintais grandes já não existem mais e os grandes terrenos estão sendo adquiridos para novos prédios.

Os pesquisadores, ambientalistas, amantes do verde e os defensores de uma cidade sustentável, contando com apoio do órgão público ambiental, precisam urgente dar as mãos em defesa do que resta de área verde de Belém. Se não for assim, como será Belém no aniversário de 400 anos?

Resultado do Censo 2010

Município População em 2010 População em 2000
Abaetetuba 139.749 119.152
Abel Figueiredo 6.752 5.957
Acará 53.435 52.126
Afuá 34.707 29.505
Água Azul do Norte 24.980 22.084
Alenquer 51.326 41.784
Almeirim 33.301 33.957
Altamira 94.624 77.439
Anajás 24.332 18.322
Ananindeua 456.316 393.569
Anapu 20.242 9.407
Augusto Corrêa 40.469 33.011
Aurora do Pará 26.427 19.728
Aveiro 15.261 15.518
Bagre 23.820 13.708
Baião 36.574 21.119
Bannach 3.409 3.780
Barcarena 94.641 63.268
Belém 1.351.618 1.280.614
Belterra 16.313 14.594
Benevides 51.104 35.546
Bom Jesus do Tocantins 15.184 13.106
Bonito 13.630 9.814
Bragança 112.285 93.779
Brasil Novo 15.401 17.193
Brejo Grande do Araguaia 7.300 7.464
Breu Branco 52.422 32.446
Breves 92.283 80.158
Bujaru 25.700 21.032
Cachoeira do Arari 20.311 15.783
Cachoeira do Piriá 26.333 15.437
Cametá 120.897 97.624
Canaã dos Carajás 26.188 10.922
Capanema 62.454 57.119
Capitão Poço 50.774 49.769
Castanhal 168.559 134.496
Chaves 18.242 17.350
Colares 11.368 10.632
Conceição do Araguaia 44.983 43.386
Concórdia do Pará 28.208 20.956
Cumaru do Norte 10.391 5.978
Curionópolis 18.212 19.486
Curralinho 28.343 20.016
Curuá 12.183 9.224
Curuçá 33.358 26.160
Dom Eliseu 51.138 39.529
Eldorado dos Carajás 31.432 29.608
Faro 7.858 10.037
Floresta do Araguaia 17.002 14.284
Garrafão do Norte 24.902 24.221
Goianésia do Pará 30.437 22.685
Gurupá 29.017 23.098
Igarapé-Açu 35.677 32.400
Igarapé-Miri 57.640 52.604
Inhangapi 9.331 7.681
Ipixuna do Pará 51.453 25.138
Irituia 31.151 30.518
Itaituba 95.210 94.750
Itupiranga 50.779 49.655
Jacareacanga 13.597 24.024
Jacundá 50.441 40.546
Juruti 46.560 31.198
Limoeiro do Ajuru 25.005 19.564
Mãe do Rio 27.735 25.351
Magalhães Barata 8.115 7.693
Marabá 224.014 168.020
Maracanã 28.291 27.571
Marapanim 26.418 24.718
Marituba 108.223 74.429
Medicilândia 26.441 21.379
Melgaço 24.526 21.064
Mocajuba 26.686 20.542
Moju 68.070 52.941
Monte Alegre 54.238 61.334
Muaná 33.979 25.467
Nova Esperança do Piriá 20.124 18.893
Nova Ipixuna 14.605 11.866
Nova Timboteua 13.644 11.406
Novo Progresso 24.820 24.948
Novo Repartimento 58.553 41.817
Óbidos 47.938 46.490
Oeiras do Pará 28.595 23.255
Oriximiná 61.125 48.332
Ourém 16.188 14.397
Ourilândia do Norte 27.511 19.471
Pacajá 38.895 28.888
Palestina do Pará 7.411 7.544
Paragominas 97.459 76.450
Parauapebas 149.411 71.568
Pau D'Arco 6.027 7.124
Peixe-Boi 7.800 7.760
Piçarra 12.703 12.671
Placas 23.806 13.394
Ponta de Pedras 25.838 18.694
Portel 52.121 38.043
Porto de Moz 33.926 23.545
Prainha 28.950 27.301
Primavera 10.221 9.718
Quatipuru 12.402 10.905
Redenção 72.908 63.251
Rio Maria 17.590 17.498
Rondon do Pará 46.944 39.870
Rurópolis 40.014 24.660
Salinópolis 37.367 33.449
Salvaterra 20.027 15.118
Santa Bárbara do Pará 17.031 11.378
Santa Cruz do Arari 8.115 5.255
Santa Isabel do Pará 59.386 43.227
Santa Luzia do Pará 19.403 19.400
Santa Maria das Barreiras 17.162 10.955
Santa Maria do Pará 23.031 20.850
Santana do Araguaia 53.871 31.218
Santarém 291.122 262.538
Santarém Novo 6.131 5.434
Santo Antônio do Tauá 26.538 19.835
São Caetano de Odivelas 16.836 15.595
São Domingos do Araguaia 22.983 20.005
São Domingos do Capim 29.802 27.405
São Félix do Xingu 90.908 34.621
São Francisco do Pará 15.018 14.245
São Geraldo do Araguaia 25.306 27.646
São João da Ponta 5.265 4.035
São João de Pirabas 20.596 17.484
São João do Araguaia 12.232 12.247
São Miguel do Guamá 51.428 41.366
São Sebastião da Boa Vista 22.758 17.664
Sapucaia 5.047 3.796
Senador José Porfírio 12.743 15.721
Soure 22.849 19.958
Tailândia 79.282 38.435
Terra Alta 10.243 8.261
Terra Santa 15.057 14.592
Tomé-Açu 55.538 47.273
Tracuateua 27.442 22.743
Trairão 15.985 14.042
Tucumã 33.084 25.309
Tucuruí 96.343 73.798
Ulianópolis 43.345 19.254
Uruará 51.167 45.201
Vigia 47.845 40.176
Viseu 56.030 51.090
Vitória do Xingu 11.726 11.142
Xinguara 40.558 35.220
Total: Pará 7.443.904 6.192.307
Total: Região Norte 15.484.929 12.900.704
 

Posts Comments

©2006-2010 ·TNB